Busca:
MATÉRIAS ESPECIAIS
LETRAS E TINTAS
Lendo e aprendendo
O livro da vez
Dicas de leitura
Pintando o 7
Músicas
PEDAGOGIA
A fala do mestre...
Professor Construir
Espaço Pedagógico
Em discussão
CIDADANIA
Ambiente-se
Direito tem,
   quem direito anda

ESPAÇO INTERATIVIDADE
Ajude a Construir!

Pedagogia

Espaço
Pedagógico


Os pontos nos is…



É muito engraçado como hoje em dia todo mundo sempre fala de projetos, não é? Principalmente na educação, esta palavra tem sido constante. É um tal de Projeto Educacional, Projeto Político-Pedagógico, Projeto Didático, Projeto Temático e tantos outros. Bem, mas o que é um projeto? Qual a diferença entre projeto, programa e plano? Você sabe a diferença entre eles?

Acredito que esta diferença conceitual nos ajuda muito, pois, enquanto professores, é importante sabermos até mesmo para podermos ter a finalidade do nosso trabalho bem definida, para não aceitarmos desculpas de más condições de trabalho porque a melhoria delas não foi definida no plano, enfim, para termos a consciência de que ponto estamos partindo e onde devemos, queremos e podemos chegar.

Se você se der ao trabalho de procurar em dicionários, perceberá que as definições de cada um deles (planos, programas e projetos) se confundem.

Na verdade, existe uma diferença fundamental entre eles, que é a hierarquia. Você deve estar se perguntando: Como assim? Vamos lá!

Os planos são as diretrizes mais amplas, onde podemos encontrar os princípios e finalidades para a ação, deve trazer como orientação fundamental: a ideologia que embasará os programas e os projetos. Portanto, os planos estão na base da hierarquia, os outros dois (programas e projetos) deverão ser elaborados segundo suas premissas. Eles respondem aos possíveis porquês que serão levantados.

Já os programas estão numa segunda instância, eles são definidos para traçar o perfil do sujeito que se envolverá com o trabalho, comportamento, postura administrativa, diagnosticar a situação, elaborar as ações e medidas que deverão ser tomadas. Os programas afunilam os planos, eles se referem às áreas restritas de atuação. Aqui podemos identificar o quê será o objeto da ação.

Em si tratando de projetos, estes sim, referem-se ao como serão executadas as atividades relativas aos programas e planos. Ele trata especificamente de quem, como, quando, onde os sujeitos envolvidos vão atuar. Eles definem e orientam aqueles que vão botar a mão na massa, arregaçar as mangas, dar o suor.

Levando estes conceitos para a área educacional, podemos traduzir da seguinte forma: os planos constituem-se pela LDB, Parâmetros Curriculares Nacionais e Planos Nacionais|Estaduais|Municipais de Educação, que são os orientadores das ações educativas, por estabelecerem as bases do trabalho.

No caso dos programas, são as diversas áreas de atuação da educação, sejam elas: básica (já dividida em tantas outras: infantil, fundamental e ensino médio), especial, de jovens e adultos, profissional, universitária, tecnológica, cultural e tantas outras. Por exemplo: os famosos Projetos Político-Pedagógico das escolas deveriam ser chamados, na verdade, de Programas Político-Pedagógico, por tratarem de algo restrito. Vale ressaltar a importância da definição da estrutura e organização de seu currículo (seja conteudista, baseado em questões desencadeadoras, temas transversais, ou mesmo projetos). Bem como os diversos Programas estabelecidos nas esferas públicas e privadas da educação.

Agora, como estes Programas vão ser executados, isto deverá estar definido no Projeto. Por exemplo: uma escola pode adotar, como forma de trabalho Projetos Temáticos, que caracteriza-se por trabalhar com seus alunos a partir de um tema previamente definido, suas ações serão direcionadas a partir deste tema; já outra escola, pode adotar o que chamamos de Projeto Didático, que caracteriza-se pela construção de um produto final no seu encerramento; e outra escola pode, ainda, adotar Projetos Temáticos e Didáticos, da seguinte forma, define-se um tema e, a partir dele, elaboram-se os produtos finais.

O mais importante nisso tudo é que haja uma coerência entre todos eles, não adianta o Plano pregar uma coisa e o Programa e|ou Projeto agir de outra, do mesmo jeito que Programa deve dialogar muito com o Projeto para se conseguir um resultado eficiente e eficaz. O que acontece bastante nas nossas escolas é que eles não conversam entre si, sabe por quê? Por que não temos estes conceitos formados e, nesta situação, os “sinônimos” atrapalham, pois confunde-se muito um com o outro e isso faz com que nosso maior desejo, que é ajudar a formação de uma sociedade mais justa através da educação, se perca, pois não temos estes conceitos e definições claros, confundimos, e, com isso, a nossa ação, muitas vezes, não reflete o que está definido.

É extremamente importante que participemos da elaboração desses Planos, Programas e Projetos, para que a nossa realidade seja realmente estudada, para que não fiquemos na falácia, para que realmente tenhamos uma educação quantitativa, mas, acima de tudo, qualitativa.

Vamos botar os pontos nos is!

Fabiana Barboza - pedagoga


Fabiana Barboza - pedagoga





imprimir
enviar
por e-mail

comentar



Escolha a Edição pelo número ou clique aqui para ver uma lista completa

Digite seu e-mail abaixo e receba


Fone: (81) 3447-1178 | Fax: (81) 3442-3638 - E-mail: atendimento@editoraconstruir.com.br

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido e gerenciado pela Nativ - Seu site na medida certa.